• Frilog

Linguagens do setor de transporte de carga

Todo setor de negócios possui uma linguagem quase que própria, com suas expressões que tenham haver com suas rotinas de trabalho. E na área de transporte isso também, existem termos que os profissionais da área devem saber.


· Carga Fracionada: também conhecida como “less than truckload”, o transporte de carga fracionada oferece uma solução diferente da modalidade de carga completa “full truckload” na uma única empresa usava todo o espaço de um caminhão ou uma frota exclusiva para movimentar suas cargas. Nesse sistema, diferentes empreendimentos podem compartilhar caminhões a fim de tornar o frete mais flexível e seu preço mais competitivo.


· Cross Docking: é um método de distribuição que dispensa armazenagem. Assim que um pedido é realizado, a empresa realiza um pedido de compra com o fornecedor. Quando essa mercadoria chega, ela segue para o centro de distribuição e, nele todos os processos são facilitados para que ela seja logo enviada para o cliente. Sendo assim, cross docking significa cruzar as docas entre uma empresa e seu fornecedor, reduzindo gastos operacionais e favorecendo o giro do estoque.


· Cubagem: a cubagem diz respeito a uma estimativa entre o peso do produto e o espaço, em metros cúbicos, que ele ocupa no veículo. Apurar essa medida auxilia transportadora a calcular o valor do frete.


· ERP: é uma siga em inglês, que significa Enterprise Resource Planning – em tradução livre, Planejamento de Recursos do Negócio. Trata-se de um sistema digital de gestão capaz de integrar áreas dentro de uma empresa – logística, financeiro, compras, marketing, entre outras, - colaborando, assim, para uma melhor administração de processos e informações corporativas.


· HUB: um ponto central determinado por uma empresa, no qual atividade de coleta, separação e distribuição de produtos ocorrem para que determinada região seja abastecida.


· JUST IN TIME: é uma metodologia de gestão de armazenamento e de produção enxuta, com base na filosofia japonesa lean. Nesse sentido, a empresa opera com níveis baixos de estoque, que são abastecidos de acordo com uma demanda real. Dessa maneira o empreendimento só compra materiais necessários para as encomendas já feitas, e todas as etapas de fabricação seguem um fluxo contínuo e mais simplificado.


· Logística Reversa: o fluxo comum da logística engloba a entrega de produtos prontos do fabricante até os clientes. Nesse contexto, a logística reversa cuida do processo contrário do tradicional: essa área gerencia a coleta de embalagens, componentes e produtos descartados desde o seu ponto de consumo até o local de origem, ou seja, a fábrica.


· Monitoramento de cargas: é um recurso facilitado pela tecnologia GPS indispensável para a logística moderna. Ele permite o rastreamento em tempo real dos veículos e, assim, tanto o cliente quando a empresa pode conferir o status de um frete. Dessa maneira, o monitoramento de cargas contribui para a gestão de risco e para redobrar a confiança e a satisfação dos consumidores finais.


· Roteirização: a roteirização é uma ferramenta que possibilita a criação de mapas inteligentes. Com ela, é possível organizar a rota de transporte de mercadorias de modo a otimizar o tempo de entrega, consumo de combustível, melhor aproveitamento dos recursos, entre outros aspectos. Assim, a empresa pode escolher o melhor trajeto considerando a menor distância, custo e tempo, conjugando muitas vezes múltiplos destinos e origens.


Fonte: Dicionário completo – ebookpatrus